Início » Blog » Acessibilidade » 7 dicas para criar gráficos e tabelas acessíveis

7 dicas para criar gráficos e tabelas acessíveis

Capa do artigo sobre gráficos e tabelas acessíveis. Fundo verde. No centro, Hugo está atrás de uma mesa de trabalho, sorrindo e apontando para um computador do seu lado direito. Acima, o ícone da acessibilidade. Do lado esquerdo, um gráfico indicando crescimento.

A acessibilidade no design gráfico é uma parte super importante da criação de conteúdos online. Garantir que gráficos e tabelas sejam compreensíveis e utilizáveis por todo mundo é um compromisso essencial para promover uma experiência inclusiva na web

Hoje no Brasil existem mais de 18 milhões de pessoas com deficiência que podem se beneficiar, e muito, de conteúdos digitais mais acessíveis. E você, como quem é responsável pela produção desse conteúdo, também consegue atingir um público mais abrangente ao apostar na acessibilidade digital. Ou seja, todos os lados saem ganhando!

Quer saber como tornar seus gráficos e tabelas mais acessíveis? Então confira essas 7 dicas que preparamos!

O que é acessibilidade em design gráfico?

Podemos dizer que a acessibilidade no design gráfico é a prática de criar conteúdos visuais que podem ser percebidos, entendidos e utilizados por pessoas com as mais diversas habilidades e necessidades. Ah, e isso envolve tornar a informação acessível não apenas no aspecto visual, mas também pensando nas pessoas que dependem de tecnologias assistivas, como leitores de tela. 

Dessa forma, em relação a gráficos e tabelas, a acessibilidade significa garantir que esses elementos sejam interpretáveis por todas as pessoas usuárias, independentemente de suas capacidades.

Por que a acessibilidade é importante em gráficos e tabelas?

A acessibilidade em gráficos e tabelas é super importante porque promove a inclusão e garante que a informação seja compreendida por uma audiência diversificada. Aqui estão algumas das principais razões:

Inclusão das pessoas com deficiência

Pessoas com deficiência visual podem depender de leitores de tela para acessar informações. Gráficos e tabelas acessíveis facilitam a interpretação desses elementos por meio de tecnologias assistivas, tornando o conteúdo compreensível para todo mundo.

Diversidade de habilidades cognitivas

Pessoas usuárias com diferentes níveis de habilidades cognitivas podem enfrentar desafios na interpretação de gráficos complexos. 

Ao tornar esses elementos mais descritivos e informativos, a acessibilidade beneficia não apenas aqueles com deficiências, mas também quem tem dificuldade na interpretação visual.

Cumprimento de diretrizes e normas

A acessibilidade em gráficos e tabelas está alinhada com diretrizes e normas internacionais, como as Diretrizes de Acessibilidade para Conteúdo Web (WCAG), estabelecidas pelo W3C (World Wide Web Consortium). 

O cumprimento dessas diretrizes não apenas promove a equidade, mas também ajuda na conformidade legal e no alcance de padrões reconhecidos.

Ampla variedade de dispositivos

A diversidade de dispositivos utilizados para acessar conteúdo online exige designs responsivos e adaptativos. 

Gráficos e tabelas acessíveis garantem que a informação seja apresentada de maneira eficaz em diferentes tamanhos de tela e dispositivos, contribuindo para uma experiência consistente.

Facilidade de compreensão

Gráficos e tabelas bem projetados facilitam a compreensão rápida da informação. Isso é benéfico para todo mundo, proporcionando uma experiência melhor para a pessoa usuária e evitando a exclusão de indivíduos que poderiam ser desencorajados por barreiras de acesso.

Atendimento a uma audiência mais ampla

Considerando a diversidade da população online, a criação de gráficos e tabelas acessíveis expande a audiência do seu conteúdo. Isso é especialmente relevante em ambientes educacionais, corporativos e governamentais, onde a informação deve ser acessível a todos os membros da comunidade.

Ética e responsabilidade social

Priorizar a acessibilidade em gráficos e tabelas reflete uma postura ética e responsável por parte de quem cria conteúdo. Ao reconhecer e abordar as necessidades de pessoas usuárias com deficiências, contribuímos para um ambiente mais inclusivo e respeitoso na web.

Reforço da marca e reputação

Organizações que adotam práticas de acessibilidade ganham uma reputação positiva por serem socialmente responsáveis. Isso pode resultar em uma lealdade do público e atrair uma base mais ampla de pessoas consumidoras que valorizam a diversidade e a inclusão.

7 dicas para criar gráficos e tabelas acessíveis

Agora que você já entendeu a importância de criar gráficos e tabelas acessíveis, é hora de saber como colocar isso em prática! Sem mais delongas, confira as 7 dicas que preparamos:

1. Escolha adequada de cores

A escolha de cores é fundamental para a acessibilidade em gráficos e tabelas. Garanta contrastes eficazes para pessoas usuárias com deficiência visual, considerando diferentes tipos de daltonismo. 

Utilize ferramentas disponíveis para verificar a acessibilidade das cores, como o simulador de daltonismo, para garantir que as informações sejam visíveis para todo mundo.

2. Textos alternativos significativos

Textos alternativos desempenham um papel super importante na acessibilidade. Ao criar gráficos, certifique-se de incluir descrições alternativas significativas que transmitam a informação visual. Aprenda a criar descrições relevantes e informativas que sejam úteis para pessoas usuárias com deficiência visual.

3. Estrutura lógica de tabelas

Uma estrutura lógica em tabelas é fundamental para pessoas usuárias que dependem de tecnologias assistivas. 

Utilize marcadores de células e cabeçalhos em tabelas para criar uma organização eficiente que seja facilmente interpretada por leitores de tela. Isso não apenas melhora a acessibilidade, mas também facilita a compreensão para todo mundo.

4. Gráficos descritivos e informativos

Adicione legendas e rótulos explicativos aos gráficos para que eles fiquem mais descritivos e informativos. Isso beneficia não apenas pessoas usuárias com deficiência visual, mas também aquelas que podem ter dificuldades na interpretação de gráficos complexos. 

Certifique-se de que os gráficos sejam compreensíveis para todos os públicos, independentemente das suas habilidades cognitivas.

5. Uso responsivo e adaptativo

Considere o design responsivo para diferentes dispositivos ao criar gráficos e tabelas. Certifique-se de que o conteúdo seja acessível em telas de tamanhos variados, proporcionando uma experiência consistente. 

Além disso, leve em conta a acessibilidade em gráficos interativos, garantindo que todas as funcionalidades sejam utilizáveis por diferentes pessoas usuárias.

6. Testes de acessibilidade

Utilize ferramentas especializadas para avaliar a acessibilidade de seus gráficos e tabelas. 

Realize testes com leitores de tela e outras tecnologias assistivas para garantir que seu conteúdo seja verdadeiramente acessível. Além disso, reconheça a importância de testar com pessoas usuárias reais para obter feedback valioso sobre a experiência de acessibilidade.

7. Boas práticas gerais

Simplifique sem perder informação. Ao criar gráficos e tabelas, busque a objetividade e a simplicidade sem comprometer a integridade da informação. Esteja sempre se atualizando em relação às diretrizes de acessibilidade e ajustando continuamente seus designs para garantir que permaneçam acessíveis ao longo do tempo.

Conclusão

Em um mundo cada vez mais digital, a acessibilidade em gráficos e tabelas é essencial para alcançar uma audiência diversificada. Ao implementar as dicas que demos aqui, você estará contribuindo significativamente para uma web mais inclusiva, onde todas as pessoas usuárias podem interagir de maneira eficaz e autônoma com o conteúdo visual. 

Ah, e lembre-se: a acessibilidade não é apenas uma prática ética, mas também uma estratégia inteligente para garantir que seu conteúdo seja consumido por um público mais amplo.

Quer aprender mais sobre como construir conteúdos acessíveis e se comunicar com o público de pessoas com deficiência? Então continue nos acompanhando por aqui no blog da Hand Talk!

Voltar ao topo