A Libras é universal? Como ela surgiu e qual é a importância?

Imagem para blog post sobre Língua de Sinais Universal. Fundo azul com um globo terrestre no centro. Ao lado estão os sinais de acessível em Libras na cor laranja.

Muitas pessoas no Brasil ainda acreditam que a Libras é universal. Isso porque provavelmente não sabem que essa é a abreviação para Língua Brasileira de Sinais. Ou seja, é a língua que muitas pessoas surdas do nosso país se comunicam. 

Se você quer saber mais sobre ela, chegou ao lugar certo! Acompanhe a seguir. 

Libras é uma língua?

Sim! Em 1880, no Congresso de Milão, um congresso de educadores de pessoas surdas, a comunicação através das Línguas de Sinais foi proibida e então definiram o regime de oralização para essas pessoas. Isso significa que elas deveriam aprender a fazer leitura labial e oralizar, para se comunicarem de forma mais parecida com as pessoas ouvintes. Essa decisão impactou na vida, especialmente na educação e desenvolvimento, de todas as pessoas surdas por todo o mundo, inclusive no Brasil.

Depois de muita luta pela educação e acesso à informação das pessoas surdas e militantes da causa, foi apenas em 2002, que a Libras passou a ser uma língua reconhecida pela Lei nº. 10.436/2002 no Brasil. É importante destacar que ela não é considerada um idioma e sim uma língua reconhecida no país.

Como surgiu a Libras?

Muitas pessoas imaginam que por falarmos Português no Brasil, a Libras seria igual a Língua Gestual Portuguesa (LGP), que é utilizada pelas pessoas surdas em Portugal. Mas isso não é verdade! A Libras, assim como várias outras Línguas de Sinais pelo mundo, possui origem na Língua de Sinais Francesa (LSF). E foi criada junto com o Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES). 

Como é a Língua Brasileira de Sinais, é claro que ela possui muita influência da nossa cultura, já que também conta com sinais que eram utilizados pelas pessoas surdas no Brasil, antes de se tornar uma língua reconhecida por lei.   

A Libras é Universal?

A pergunta “a Libras é universal?”, talvez seja uma das mais comuns sobre o tema. Mas a resposta é não! Estima-se que existem entre 138 e 300 diferentes Línguas de Sinais por todo o mundo!

Além disso, ainda têm outras variações destas Línguas de Sinais. Isso se dá através do regionalismo ou até mesmo por grupos de afinidade. No Brasil, temos a Cena, que é emergente do sertão do Piauí e todos os seus sinais foram criados pela população local. Temos também a Língua de Sinais Indigena, conhecida como Kaapor.

Quais países usam a Libras?

A Libras é utilizada apenas no Brasil, sendo ela uma das formas mais comuns de comunicação entre as pessoas surdas do nosso país. Estima-se que ela é o principal meio de comunicação de cerca de 3 milhões de pessoas.

Então a Libras é uma Língua própria do Brasil?

Como o nome já diz, a Língua Brasileira de Sinais é uma língua reconhecida por lei (Lei nº. 10.436/2002) e utilizada no nosso país. Ela foi criada junto com o Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES). Por ser uma língua viva, constantemente passa por melhorias e formação de novos vocábulos. Alguns sinais ainda possuem variações de acordo com o local em que a pessoa vive. Assim como temos os nomes mexerica, bergamota e tangerina para definir uma mesma fruta em diferentes regiões, também há sinais diferentes para a mesma palavra, o que é chamado de regionalismo. 

Libras e os sinais regionais

O regionalismo tende a representar os costumes e tradições de uma determinada região. Ele é um tipo de variação linguística, ou seja, termos diferentes que definem uma mesma palavra. Com a Libras, assim como no português ou outros idiomas, ele ocorre com base na diferença de gerações, cultura e regiões geográficas

É biscoito ou bolacha

Esse é um grande exemplo do regionalismo em Português, assim como macaxeira, aipim e mandioca! Na Libras, isso também acontece. Como para o sinal de “solteiro”, que no Nordeste e no Sul são bem parecidos, mas no Nordeste o sinal é oposto para o sinal do Sul. Assim, fica deslocada na frente do corpo, em ponto de articulação. Enquanto o sinal “atrasado” no Sul, significa “validade” no Nordeste. Entre outras variações.

Quais as Línguas de Sinais mais importantes do mundo?

Todas as Línguas de Sinais são importantes, afinal, elas são a forma de comunicação de milhões de pessoas, em diversos países e culturas. Mas existem algumas que se destacam, seja pela quantidade de pessoas que a utilizam ou por darem origem a outras línguas. Por isso, vamos falar um pouco mais sobre elas.

Língua de Sinais Francesa 

A Língua de Sinais Francesa (LSF) é uma das mais antigas da Europa e é a língua materna de mais de 100 mil franceses. Possui a sua própria estrutura gramatical, que acabou dando origem a diversas outras Línguas de Sinais, mesmo que o idioma oficial desses países não tenha nenhuma similaridade com a Língua Francesa. Alguns exemplos são: Libras, Língua de Sinais Russa (RSL), Língua de Sinais Alemã (DGS), Língua de Sinais Americana (ASL), Língua de Sinais Irlandesa (ISL). 

Língua de Sinais Americana

A Língua de Sinais Americana também é popularmente conhecida como ASL. Um estudo da Universidade de Gallaudet mostrou que ela é a língua nativa de entre 500 mil a 2 milhões de pessoas. 

Além dos Estados Unidos, ela também é a Língua de Sinais utilizada em países como: Filipinas, Mauritânia, Quénia, Madagáscar, Zimbabué, Porto Rico, Costa do Marfim, Burkina Faso, Gana, Togo, Benim, Nigéria, Chade, Gabão, República Centro-Africana, Singapura, Hong-Kong, República Dominicana e Haiti.

Se você possui interesse em começar a praticar ASL, ou então deseja se comunicar nesta língua com alguém, baixe gratuitamente o Hand Talk App. Um aplicativo que, com a ajuda dos simpáticos tradutores virtuais Hugo e Maya, realiza traduções estaneas do Inglês para ASL e do Português para Libras. 

Qual a importância da Língua de Sinais?

Segundo pesquisa realizada pela Federação Mundial dos Surdo, 80% das pessoas surdas no mundo possuem dificuldade nas línguas escritas. Isso acontece principalmente pela dificuldade do acesso à educação para essas pessoas. Sendo assim, as Línguas de Sinais são uma alternativa de comunicação eficiente. Com isso, elas podem receber e transmitir informações, estudar, trabalhar, entre outras atividades do cotidiano, de forma inclusiva e justa.

As Línguas de Sinais permitem que as pessoas surdas desenvolvam sua própria identidade e liberdade de se comunicar sem ficarem engessadas ao regime do oralismo. 

Além disso, essa também é uma forma de comunicação muito utilizada por pessoas com outros tipos de deficiência como, autismo, síndrome de down e paralisia cerebral.

Para fechar com chave de ouro, se você tem interesse em estudar mais sobre a Libras ou ASL e começar a se comunicar nestas línguas, clique no banner abaixo e faça o download gratuito do Hand Talk App. Um aplicativo que funciona como um tradutor de bolso para as Línguas de Sinais e ainda te ensina a sinalizar de maneira didática e fácil.

Fundo laranja. Na esquerda, o Hugo e a Maya sorrindo, ao lado deles, um balão escrito "Aprenda uma nova língua com nossos tradutores virtuais". Do lado direito, as bandeiras do Brasil e Estados Unidos, indicando as línguas ASL e Libras.
Voltar ao topo