Acessibilidade Digital Automatizada: é possível e vale a pena?

O Hugo está sorrindo e segurando uma caixa de ferramentas, com o símbolo da acessibilidade na parte da frente.

Temos que concordar que a internet desempenha um papel fundamental nas nossas vidas, não é mesmo? Ela conecta pessoas, serviços e informações em uma escala global, o que era algo inimaginável alguns anos atrás. No entanto, nem todas as pessoas têm a mesma facilidade de acesso a essa enorme fonte de conhecimento e interação. 

É aí que a acessibilidade digital entra em cena, buscando eliminar barreiras e tornar a web mais inclusiva para as pessoas com deficiência. Com isso em mente, você pode se perguntar: é possível automatizar a acessibilidade digital e isso realmente vale a pena? Não saia daqui que vamos te responder essas perguntas ao longo deste artigo!

O que é acessibilidade digital?

A acessibilidade digital diz respeito à criação de sites, aplicativos e conteúdos online de forma que todas as pessoas, independentemente de suas habilidades ou deficiências, possam acessá-los e utilizá-los sem dificuldades. Isso inclui pessoas com deficiências visuais, auditivas, motoras ou cognitivas, bem como pessoas idosas e qualquer uma que possa enfrentar obstáculos ao usar a tecnologia. 

Por exemplo, ter conteúdos audiovisuais acessíveis com legendas facilita e melhora tanto a experiência de indivíduos com deficiência auditiva, quanto a de uma pessoa que quer assistir um vídeo na sala de espera do consultório médico mas está sem seus fones. Percebe como a acessibilidade digital pode ser útil para todo mundo?

Em resumo, como o nosso próprio Governo Federal define, acessibilidade digital é a eliminação de barreiras no ambiente digital. Ah, e ela é bem mais fácil de implementar do que você possa estar imaginando.

Quais os tipos de acessibilidade digital?

Você sabia que existem diversos tipos de acessibilidade digital? Eles foram definidos pelo WCAG (Web Content Accessibility Guidelines, ou Diretrizes de Acessibilidade de Conteúdo da web, em português) para estabelecer padrões mundiais de acessibilidade no ambiente online. Confira quais são eles:

  • Compreensível: todas as informações disponibilizadas, incluindo os botões e suas respectivas ações, devem ser apresentadas de maneira lógica e inteligível para todas as pessoas usuárias.
  • Operável: os elementos interativos da página, como botões e controles, devem ser utilizáveis de diversas formas, como cliques ou outras opções adaptativas, como deslizar, empregar comandos de voz e outros dispositivos de apoio.
  • Perceptível: cada componente presente na página, incluindo tanto os elementos visuais como os textuais, precisa ser facilmente identificável pelos sentidos. Nenhum aspecto pode ficar oculto ou fora de alcance.
  • Robusto: o conteúdo da página deve ser capaz de operar sem problemas em quaisquer dispositivos, incluindo tecnologias assistivas, garantindo uma experiência consistente.

É possível manter um site acessível de forma automática?

A automação tem se tornado uma parte cada vez mais essencial do desenvolvimento web. Afinal, ela facilita processos e otimiza nosso tempo, certo?  No entanto, a acessibilidade digital apresenta desafios únicos. Embora algumas tarefas possam ser automatizadas, a acessibilidade completa geralmente requer uma abordagem combinada de automação e intervenção manual.

Sendo assim, automatizar a acessibilidade digital se refere a usar ferramentas e técnicas que automaticamente identificam os elementos não acessíveis em um site. Essas ferramentas podem detectar problemas como falta de descrições em imagens, contraste inadequado e elementos não navegáveis. No entanto, vale lembrar que elas não são infalíveis e podem deixar passar certos problemas ou gerar falsos positivos. Por isso, também é interessante criar uma rotina de verificação manual frequente.

Como a acessibilidade digital pode ser realizada?

Garantir a acessibilidade digital requer a consideração de vários aspectos. Confira aqui algumas práticas importantes para isso:

Evite usar funções acessíveis apenas pelo mouse

Nem todas as pessoas usuárias podem usar um mouse para interagir com o conteúdo. Então, garanta que todas as funcionalidades do site, aplicativo ou plataforma possam ser navegadas e utilizadas usando apenas o teclado. Isso é essencial para pessoas com alguns tipos de deficiências motoras. 

Use textos de forma mais simplificada possível

Você já tentou ler um texto jurídico ou artigos médicos e não conseguiu entender nada? Evitar jargões complicados e linguagem excessivamente técnica é uma ótima prática acessível, não só para pessoas com deficiências intelectuais, mas para aquelas que não estão familiarizadas com o tema sobre o qual você está falando. Por isso, mantenha o texto objetivo e simples para que todas as pessoas usuárias possam compreender facilmente o conteúdo.

Descreva todas as imagens da páginas (Alt Text)

Muitas pessoas com deficiências visuais dependem de leitores de tela para acessar o conteúdo de imagens. Portanto, forneça descrições alternativas (o famoso texto alternativo ou Alt Text) para todas as imagens, transmitindo informações importantes que estejam presentes nelas.

Invista em tecnologia assistiva no geral

Além de garantir que o próprio site seja acessível, é importante reconhecer e apoiar tecnologias assistivas externas, como leitores de tela, softwares de reconhecimento de voz e até tradutores automáticos para Línguas de Sinais. Garanta que seu site funcione bem com essas tecnologias, combinado?

Como validar regras de acessibilidade digital?

Validar a acessibilidade digital é essencial para garantir que as práticas corretas estejam sendo implementadas. Existem algumas maneiras de fazer isso, entenda com a gente:

De forma manual

Uma abordagem manual envolve a revisão do site por especialistas em acessibilidade que testam o conteúdo e interagem com ele usando tecnologias assistivas. Esse processo até pode ser um pouco mais demorado, mas oferece uma compreensão aprofundada dos problemas de acessibilidade, o que é super importante!

Usando plugins e ferramentas

Existem várias ferramentas automatizadas disponíveis que podem analisar seu site em busca de problemas de acessibilidade. Elas podem identificar problemas como falta de contraste, problemas de marcação e outras questões técnicas. No entanto, é importante lembrar que essas ferramentas não substituem a validação manual, sua função é ajudar e otimizar o processo de validação da acessibilidade digital do seu conteúdo.

Conclusão

A acessibilidade digital é um compromisso fundamental para tornar a web uma plataforma verdadeiramente inclusiva! Embora a automação possa ajudar a identificar muitos problemas, a intervenção humana é essencial para garantir que todas as nuances da acessibilidade sejam abordadas. No final do dia, a acessibilidade digital automatizada vale a pena sim, mas não como único recurso.
Em resumo, investir em acessibilidade digital não apenas atende às obrigações éticas e legais, mas também expande seu público e melhora a experiência do usuário para todas as pessoas. Se você quer aproveitar e começar agora mesmo a fazer a sua parte para tornar a web mais acessível, conheça o Hand Talk Plugin, ferramenta de Inteligência Artificial que traduz todo o conteúdo em texto do seu site para Libras (Língua Brasileira de Sinais).

Voltar ao topo